DAOs

Uma Pré História das DAOs

danielmiorim

Este ensaio é o segundo em uma série da Gnosis Guild por @keikreutler unindo cryptonetworks, web3 e jogos. O primeiro ensaio Inventories, Not Identities foca na identidade coletiva e componível da web3.

Traduzido por Alex Pereira de Souza e Revisado por Daniel Miorim de Morais.

O ano é 1996. John Perry Barlow está prestes a declarar: “A internet consiste em transações, relacionamentos e no próprio pensamento”.

Do ponto de vista da web de hoje, alguém pode argumentar que apenas a primeira parte da afirmação de Barlow está correta. O espetáculo em torno dos ativos digitais sugere que alcançamos um novo nível de financeirização, dando continuidade a uma trajetória em que mais de nossas ações online se tornam interações econômicas diretas. Embora os ativos digitais baseados em blockchain sejam passíveis de mercados financeiros especulativos, eles não são a única aplicação da tecnologia. Durante essa crista do ciclo de hype, pudemos ver relacionamentos forjados por novas instituições peer-to-peer se enraizarem.

Um computador do início do mundo? Ruzname-i dairevi, tabelas astronômicas para ambos os calendários Arebi (islâmico) e Rumi (juliano) fornecendo registros cronológicos de mudança sazonal, entrada do sol em signos do zodíaco e horários do verão e do pôr do sol. 

Uma das primeiras aplicações de blockchains públicos são os ativos digitais globais. Global no sentido de que não dependem de instituições para provar que não estão sendo gastos duas vezes: o gato místico na lua NFT é, comprovadamente, o único gato místico na lua NFT correspondente ao seu token. A utilidade da singularidade comprovável também se estende a tipos de relações além da troca econômica direta, o que levou muitas pessoas a pensar tanto em novas formas de finanças quanto em novas formas de organização.

No entanto, a promessa de novas formas organizacionais auxiliadas pela tecnologia de informação não pode ser separada do contexto da invenção da internet. Em 1995, um ano antes da Declaração de Independência do Ciberespaço de John Perry Barlow, apareceu outra obra escrita que impactaria a ideologia política dos primórdios da internet: Tribes, Institutions, Markets, Networks (TIMN) de David Ronfeldt. 

O relatório TIMN foi financiado pela RAND Corporation. Darkly parodiado em Dr. Strangelove como a BLAND Corporation, é um think tank de pesquisa e desenvolvimento sem fins lucrativos fundado em 1948, que é responsável por informar as políticas das forças armadas, governo e indústria dos Estados Unidos até os dias atuais. Como a internet começa em meio a esse contexto militarizado, começaremos aqui também.

O relatório TIMN cria uma narrativa da evolução social na qual os humanos progrediram através de quatro formas organizacionais distintas:

(T) Tribos têm o princípio de organização social de parentesco, clãs e linhagens. (I) As instituições têm o princípio de organização social da hierarquia. (M) Os mercados têm o princípio de organização social da troca competitiva. (N) As redes têm o princípio de organização social de troca colaborativa heterárquica. Heterárquica aqui denota organizações que são não hierárquicas, não classificadas ou possuem a capacidade de serem classificadas de várias maneiras.

Enquanto novas formas organizacionais evoluem ao longo do tempo, as formas organizacionais anteriores “crescem dentro de seu escopo de atividade, mesmo que esse escopo seja recentemente circunscrito”, citando como os mercados aumentaram as receitas tributárias para fortalecer o estado institucional, apesar de restringir sua participação nas trocas econômicas diretas.

Sam Hart, Laura Lotti, Toby Shorin, Squad Wealth, 2020

Os vieses institucionais do relatório são claros, como equiparar o progresso com a democracia liberal ocidental, e sua narrativa da evolução da sociedade pode parecer reducionista na melhor das hipóteses. Seu argumento, no entanto, fornece um pano de fundo histórico para a ideologia política da qual as organizações descentralizadas se baseiam, conscientemente ou não. Isso fica mais evidente na identificação do relatório da mais nova forma organizacional: as redes.

O relatório define as redes de forma um tanto aberta. Uma característica importante de distinção entre as redes e as formas organizacionais que as precedem é que as redes são descritas como multiorganizacionais, enfatizando a colaboração entre grupos “pequenos, dispersos e autônomos” em distâncias maiores. Esses grupos não compartilham necessariamente uma unidade organizacional distinta. Embora as redes tenham existido ao longo da história, a nova tecnologia de informação enfatiza as relações cooperativas que impactam muito as instituições ao atravessar jurisdições, “facilitando o crescimento de keiretsus e outras empresas globais distribuídas, semelhantes à web e, cada vez mais, as chamadas ‘corporações virtuais’”, Ronfeldt observa. 

No entanto, o domínio primário das redes multiorganizacionais não é o setor público nem o privado, pelo menos como ambos são tradicionalmente concebidos. Em vez disso, elas irão transformar um terceiro, “setor social autônomo”, identificado no relatório como sociedade civil. Pintada no cenário de 1995 para incluir organizações não governamentais (ONGs), organizações de base e organizações voluntárias privadas, a sociedade civil será fortalecida por redes multiorganizacionais e talvez abordará questões relacionadas à desigualdade, burocracia e acessibilidade onde as formas organizacionais anteriores falharam.

O relatório apresenta uma imagem política açucarada das redes: “Enquanto o desenvolvimento das formas de organização institucional e de mercado levou a uma ênfase nas vantagens competitivas, o desenvolvimento da forma de rede multiorganizacional pode mudar a ênfase para as vantagens cooperativas”. A parte inferior dessa apresentação política é o soft power imperial que as ONGs exportariam globalmente na década seguinte. Para aqueles que atualmente trabalham na WEB3, toda essa linguagem pode parecer familiar, embora essa herança ideológica questionável muitas vezes passe despercebida. Ao trazer à tona linhagens ideológicas, temos uma chance maior de mudar seu curso.

Com a ênfase final do relatório nos acrônimos de três letras da sociedade civil para organizações, ONGs, NPOs e PVOs, um acrônimo futuro está naturalmente ausente: DAOs.

Um Termo Quimérico

DAO significa organização autônoma descentralizada.

A DAO vem da imaginação de como os recursos da tecnologia descentralizada, como ativos digitais globais, resistência à censura e ações automatizadas, mudarão a forma como as organizações operam. Inicialmente chamadas de corporações autônomas descentralizadas (DACs), o termo mais generalizável DAO surgiu da comunidade blockchain do Ethereum. 

Com base no DAOs, DACs, DAs and More: An Incomplete Terminology Guide de Vitalik Buterin de 2014, uma DAO poderia ser descrita então como uma organização capitalizada na qual um protocolo de software informa sua operação, colocando a automação em seu centro e os humanos em suas bordas. Por exemplo, um protocolo de software poderia especificar as condições sob as quais uma organização automaticamente distribui capital para seus membros. Isso levou à ideia de que os valores organizacionais podem ser automatizados e executados por código, uma ideia persistente que talvez sugira falsamente que o conhecimento tácito pode ser totalmente expresso em um protocolo de software. 

Embora as ideias hipotéticas do termo fossem abundantes, quando uma DAO passou da teoria para o experimento, a comunidade reformulou amplamente o termo DAO para indicar negócios “imparáveis” ou resistentes à censura. A primeira DAO, chamada The DAO, tornou-se um dos maiores espetáculos da comunidade blockchain do Ethereum até hoje, quando em 2016 arrecadou mais de $150 milhões equivalentes em ETH como um fundo de risco descentralizado. No entanto, o experimento provou-se de curta duração quando a The DAO foi hackeada um mês após o lançamento.

Iniciativas maiores relacionadas a DAOs não ganhariam força novamente por vários anos. De então até agora, a DAO se desviou de seus significantes iniciais para continuar como um termo quimérico, com o termo e suas implementações variando de acordo com seu contexto cultural. Cada corrida especulativa no mercado, por todo o seu ruído, cria novos sinais de que DAOs podem ser implantadas, trazendo refinamento descritivo, técnico e cultural ao conceito na prática. Enquanto alguns brincam que um grupo dividindo uma conta de almoço pode ser uma DAO, a fim de evitar sua generalização excessiva, o foco em DAOs será limitado a exemplos na comunidade blockchain do Ethereum, apesar da importância de outras comunidades coordenando de forma semelhante. Em 2021, uma DAO poderia ser descrita como uma associação voluntária com os princípios operacionais do cooperativismo digital. 

Como associações voluntárias, elas são uma maneira interjurisdicional para estranhos, amigos ou aliados improváveis ​​se unirem sob pseudônimo em direção a objetivos comuns, apoiados por um modelo de token, incentivos e governança. Os membros de uma DAO podem ter propriedade representativa de seus ativos digitais por meio de um token, que muitas vezes atua simultaneamente como um direito de governança e um utilitário de rede.

Embora muitas DAOs não adotem o rótulo de cooperativa digital, pode-se dizer que as DAOs adotam o cooperativismo como um protocolo, significando um conjunto em evolução de práticas relacionais que são distintas das estruturas corporativas tradicionais ou corporações autônomas descentralizadas, porque priorizam a propriedade dos membros. O rótulo cooperativa pode ser qualificado por digital porque hoje as DAOs atuam principalmente para coordenar em torno de ativos digitais. No entanto, à medida que o conceito de DAOs evolui na prática, sua primazia digital desaparecerá. As DAOs, como veremos, também introduzem novas dimensões que excedem o que os princípios operacionais de uma cooperativa digital abrangem nocionalmente.

Ecossistemas de tecnologia descentralizada tendem a descrever um fenômeno por meio de seus produtos técnicos. No entanto, como Ruth Catlow, cofundadora da Furtherfield e do laboratório de artes descentralizado DECAL, observa: “Precisamos construir culturas antes de estruturas”. Embora a visão geral abaixo das ferramentas DAO forneça uma descrição concreta do conceito na prática, é fundamental ter em mente que as DAOs, em última análise, coordenam por meio de vibes coletivas.

Pacote Inicial DAO, 2021

Em sua forma mais simples, as ferramentas DAO têm sido descritas como um bate-papo em grupo e uma conta bancária. Em 2021, isso geralmente assume a forma de um servidor Discord e uma Gnosis Safe Multisig, que é uma plataforma web3 para criar contas multi-assinatura. As contas multi-assinatura permitem que grupos de pseudônimos, entre jurisdições, reúnam e gerenciem fundos em minutos, uma capacidade muito além de uma conta bancária conjunta tradicional. Esse “mínimo viável” de ferramental DAO brilhou no primeiro semestre de 2021 com iniciativas como a PleasrDAO.

PleasrDAO é um coletivo que se uniu para fazer um lance a um NFT do artista pplpleasr. Dada a escalada dos preços dos leilões de arte digital, a ideia por trás da PleasrDAO era simples: um coletivo de fãs usando uma conta multi-assinatura poderia reunir fundos para fazer lances e, por meio de holding em comum, competir com outros grandes licitantes para vencer o leilão. 

Depois de vencer seu primeiro leilão homônimo, a PleasrDAO passou a colecionar outras obras, como Stay Free, a NFT de Edward Snowden apoiando caridosamente a imprensa independente, por um total de 2,2 mil ETH ou equivalente a USD 5,4 milhões na época. Suas missões repetidamente bem-sucedidas significam que, enquanto ainda atuam como colecionadores, a PleasrDAO ampliará seu escopo para começar a incubar projetos por sua comunidade. 

Iniciativas como a PleasrDAO desafiam de maneira mais promissora os colecionadores institucionais por meio de sua adesão ampliada, convidando artistas que eles colecionam como pplpleasr a se tornarem membros do coletivo por sua vez. No entanto, para que isso aconteça, é vital que essa propriedade permaneça coletiva em vez de institucional.

Conta Gnosis Safe multi-assinatura de propriedade da PleasrDAO, na qual eles mantêm NFTs coletados em comum.

Embora um bate-papo em grupo e uma conta multi-assinatura possam ser suficientes para inicializar uma missão DAO, um token geralmente se torna o próximo passo para adotar os princípios de uma cooperativa digital. Por exemplo, a PleasrDAO emitiu $PEEPS, um token distribuído internamente para representar a participação dos membros na coleção, que eles estão considerando tornar público para fracionar a propriedade de sua coleção. Experimentos semelhantes como a PartyDAO empregam um token, com o token $PARTY representando a associação a um bate-papo em grupo, direitos de governança e copropriedade de valor produtivo gerenciado pela DAO. 

É importante observar que a PleasrDAO e a PartyDAO não são hierarquias planas, pois ambos têm grupos eleitos de indivíduos que gerenciam seus tesouros de contas multi-assinaturas. Embora a PleasrDAO e a PartyDAO tenham se concentrado inicialmente em missões mais curtas, ambos estão evoluindo para uma visão de longo prazo, como colecionadores, investidores e incubadoras que usam tokens para representar copropriedade no espírito de uma cooperativa digital. A tokenização cria oportunidades e desafios para as redes que estão por vir.

Uma Nova Dimensão no Movimento Cooperativo

Voltando à sua origem, as DAOs hoje se assemelham a The DAO principalmente em sua ênfase na participação aberta e na criação de valor econômico, enquanto sua cultura mudou muito mais para nichos específicos e conexão social. Nos exemplos acima, um termo foi deixado intencionalmente vago: governança. Muitas DAOs hoje usam a plataforma leve Snapshot para governança. No Snapshot, cada DAO tem um espaço para criar e votar em propostas. Por exemplo, tanto a PleasrDAO quanto a PartyDAO têm um espaço Snapshot, no qual eles realizam  votos públicos para decisões coletivas. Snapshot pondera votos pela quantidade de tokens específicos da DAO que um endereço contém, como tokens $PEEPS na PleasrDAO.

Espaço Snapshot da PleasrDAO exibindo a votação sobre a aquisição do Dreaming na Dusk NFT que beneficia o Projeto Tor. A votação foi aprovada com um total de 396,69 mil tokens $PEEPS votando a favor.

O tópico de governança tem sua própria história dentro do ecossistema de criptomoedas que não será totalmente exposta aqui. Notavelmente a iniciativa MolochDAO, que usa a fonte clássica Papyrus e faz forte referência às guildas de jogos, reacendeu o fogo da governança descentralizada após o hack da The DAO. MolochDAO passou a inspirar uma legião de novas DAOs, muitos forks diretos de sua base de código, em seu rastro.

A história das DAOs deste ensaio está longe de ser completa, pois outros projetos como Aragon, Colony, DAOhaus e DAOstack continuam a desenvolver suas plataformas para DAOs e surgem iniciativas modulares como Block Science e Commons Stack. Esses projetos oferecem ferramentas DAO que suportam muitos mecanismos de governança. No entanto, uma pré-história das DAOs também é incompleta sem sua relação menos frequentemente mencionada com o cooperativismo de plataforma.

Com base em décadas de iniciativas comuns, o termo “cooperativismo de plataforma” cunhado por Trebor Scholz, bem como o conceito de “saída para a comunidade” delineado por Nathan Schneider cruzaram-se com o espaço crypto através de ensaios como The Ownership Economy, de Jesse Walden. Esses bordões defendem plataformas possuídas, desenvolvidas e administradas por sua comunidade de usuários. Especificamente, o conceito “saída para a comunidade” influenciou a governança descentralizada por meio de sua exposição clara de uma terceira via para as empresas evoluirem sua propriedade.

Nathan Schneider, Startups Need a New Option: Exit to Community, 2019

A saída para a comunidade cresceu na prática por meio de iniciativas como a DXdao, lançado com o objetivo de dar propriedade, governança e valor à comunidade aos protocolos de software. Hoje, com muitos protocolos de software financeiro descentralizado orientando seu desenvolvimento por meio de DAOs, ficou claro que os protocolos de software podem sair e construir com a comunidade. Como as DAOs usam ferramentas de software em estágio inicial, faz sentido que seus primeiros usuários e casos de uso envolvam a governança de ativos digitais, como protocolos de software. A primazia digital das DAOs talvez seja uma das razões pelas quais sua semelhança com movimentos cooperativos anteriores muitas vezes passe despercebida.

Hoje, a Aliança Cooperativa Internacional define cooperativas como “uma associação autônoma de pessoas unidas voluntariamente para atender suas necessidades e aspirações econômicas, sociais e culturais comuns por meio de uma empresa de propriedade conjunta e democraticamente controlada”. Uma cooperativa também pode ser definida pela estrutura de sua entidade legal, que determina que as cooperativas são empresas não pertencentes aos acionistas, mas sim aos seus membros. O estabelecimento dos Princípios de Rochdale, formulados por uma sociedade de tecelões em 1844, marcou um momento chave na história das cooperativas. A Aliança Cooperativa Internacional adotou estes princípios operacionais, que ainda orientam as cooperativas globalmente:

  1. Associação Voluntária e Aberta
  2. Controle de Membros Democrático
  3. Participação Econômica dos Membros
  4. Autonomia e Independência
  5. Educação, Treinamento e Informação
  6. Cooperação entre Cooperativas
  7. Preocupação com a Comunidade

Embora esses princípios operacionais tenham evoluído nos últimos dois séculos, eles poderiam facilmente ter sido formulados por algumas DAOs hoje. Os princípios de Associação Voluntária e Aberta, Participação Econômica dos Membros e Preocupação com a Comunidade se traduzem nos exemplos de DAOs acima. Os princípios de Autonomia e Independência e Cooperação entre Cooperativas são fundamentais para que as DAOs floresçam como redes multiorganizacionais, fortalecendo um setor social autônomo construído por meio da colaboração entre DAOs.

As DAOs poderiam estabelecer normas mais ponderadas em torno do controle de membros democrático, que as cooperativas normalmente definem como um membro, um voto. A maioria dos DAOs emprega votação por token, ou seja, um token, um voto. As DAOs argumentam que a propriedade do token representa participação, com o modelo de token muitas vezes diretamente vinculado economicamente à DAO, por exemplo, por meio de taxas sobre os protocolos de software que possui. Isso permite que os membros da DAO com maior participação financeira tenham uma influência proporcionalmente maior. 

O voto por token não contradiz diretamente os princípios cooperativos, pois existem algumas cooperativas que ponderam os votos por qualidades como produção. Em certos casos, isso pode parecer adequado, mas à medida que alguns DAOs evoluem para manter a infraestrutura básica, essa desigualdade se torna claramente indesejável. Em parte, isso ocorre porque nem todos os stakeholders possuem o poder de compra representativo de sua participação, e seu conhecimento prático pode ser excluído da governança. Isso deve ser resolvido mudando a cultura para mais mecanismos de tomada de decisão que dissociam o interesse econômico dos direitos de governança.

Até então, projetos como o protocolo de privacidade Tornado Cash abordavam esse problema de distribuição enviando tokens retroativamente para usuários anteriores, em um passo para tornar os usuários stakeholders ​​do protocolo. O projeto Regen Network, uma blockchain pública para serviços ecossistêmicos, adota outra abordagem para esse problema de distribuição. Eles reservaram 30% de seus tokens para administradores de terras, cientistas climáticos e outras partes interessadas no gerenciamento regenerativo de terras para formar DAOs de comunidade que participam da governança da rede. 

Como os tokens podem ser distribuídos mais facilmente do que os interesses corporativos tradicionais, associações ou ações, isso cria a possibilidade de uma nova forma de empresa detentora de tokens, que pode incorporar um conhecimento prático mais profundo na governança sem aumentar os custos operacionais de transação. Os stakeholders com conhecimento prático, ou conhecimento “tácito”, como administradores de terras no caso da Regen Network, beneficiam a governança ao incorporar práticas informais na tomada de decisões. Aqui, as DAOs começam a introduzir novas dimensões que excedem o que os princípios operacionais de uma cooperativa digital abrangem nocionalmente. Por esse motivo, tanta inovação e ênfase devem ser colocadas nos mecanismos de distribuição de tokens que identificam uma participação mais ampla dos stakeholders quanto nos mecanismos de tomada de decisão.

A tokenização de comunidades online pode ser objeto de um debate mais longo. Longe de ser a melhor resposta para os problemas de mídia social da web 2.0, a tokenização introduz mais consciência das relações financeirizadas. Como estrela-guia, os aplicativos WEB3 poderiam ter como objetivo introduzir valor em relações que historicamente lhe foram negadas, como trabalho e meio ambiente, ao invés de criar novas relações financeirizadas. Nesse contexto, para DAOs com a missão de criação de valor econômico, um token se torna um mecanismo útil em três frentes:

  1. Financiamento Inicial
  2. Distribuição de Direitos de Governança
  3. Alinhamento do Ecossistema de DAOs

A tokenização introduz uma norma cultural poderosa nas organizações em estágio inicial: a expectativa de copropriedade transparente de seus ativos desde o início. A tensão entre estruturas corporativas mais tradicionais que pagam dividendos e DAOs persiste. Como a maioria dos DAOs representa direitos de governança por meio de um token, em certo sentido, os tokens têm a capacidade de colocar princípios de Cavalo de Tróia de cooperativas diretamente em espaços altamente financeirizados. 

Esses são dois lados importantes de, literalmente, uma moeda e, por esse motivo, a tokenização não deve ser descartada. Os tokens podem ser uma chave para desbloquear a economia de propriedade, mas para alcançar uma versão mais equitativa desse futuro, precisamos participar da elaboração da cultura em torno da distribuição, mediação e governança de tokens agora. Isso se torna importante porque, ao contrário das ações em cooperativas, muitos tokens que funcionam como direitos de governança podem ser vendidos em mercados secundários.

Embora isso facilite as condições de entrada em uma organização, as DAOs podem aprender com a ênfase das cooperativas no longo prazo, estabelecendo mais padrões culturais em torno de aquisição de tokens, transferibilidade limitada ou mecanismos mais experimentais.

Assim como os DAOs podem aprender com estudos de caso de cooperativas, em uma troca bidirecional, as DAOs podem introduzir mais formas de governança descentralizada nas cooperativas. Este é o caso apresentado por Morshed Mannan em Fostering Worker Cooperatives with Blockchain Technology: Lessons from the Colony Project, que cita como as cooperativas muitas vezes enfrentam “problemas de coordenação à medida que a entidade se expande além das fronteiras”, com uma “tendência negativa na gestão participativa, monitoramento mútuo , e solidariedade” à medida que se internacionalizam. Dilemas que as cooperativas enfrentam, como financiamento, governança e alinhamento entre jurisdições, as DAOs abordam diretamente. Abraçando o cooperativismo como um protocolo e não como uma estrutura corporativa, as DAOs poderiam, em seu neologismo, encorajar um espaço cultural que pode ser trabalhado além das divisões tradicionais.

A Era das Guildas

Por mais que as DAOs possam acidentalmente adotar os princípios operacionais das cooperativas que as precedem, elas também se assemelham astutamente a enclaves de outras culturas online. Eles têm mais a aprender com as guildas em jogos multijogador massivo online (MMOs).

À medida que os jogos de RPG de computador se tornaram online na década de 1990, isso significava que um grande número de jogadores poderia compartilhar um mundo de jogo: um ambiente com uma gama diversificada de objetivos, atividades e subtramas. Os primeiros exemplos integrais de MMOs incluem The Realm Online, Ultima Online e EverQuest, que levam a mais clássicos como World of Warcraft e EVE Online. 

Em muitos desses exemplos, os jogadores são em sua maioria livres para definir seus próprios objetivos livremente guiados pela narrativa do mundo do jogo aberto, possibilidades e riscos, e por causa dessa liberdade narrativa, os jogadores formam grupos para atingir objetivos comuns fora do alcance de jogadores únicos. Referidos amplamente como guildas, clãs ou alianças, esses grupos podem variar de 40 a 1000 participantes, e seus objetivos podem incluir derrotar inimigos difíceis ou construir ferramentas úteis.

Para atingir esses objetivos, padrões culturais surgem nas guildas, e às vezes pode haver uma incompatibilidade entre as ferramentas que os desenvolvedores do mundo do jogo lançam para as guildas e suas necessidades reais. Em um exemplo do EVE Online, os desenvolvedores do mundo do jogo criaram uma interface para os jogadores criarem corporações que permitiam aos jogadores distribuir ações. Na prática, esse recurso de distribuição de ações raramente era utilizado porque não valorizava os padrões culturais existentes. 

Em vez disso, usando o navegador e a API de dados do EVE Online, muitas guildas desenvolveram suas próprias ferramentas necessárias para atingir objetivos específicos. Um paralelo entre guildas de jogos e DAOs pode ser traçado aqui, já que a atual onda de DAOs tende a usar uma combinação de ferramentas componíveis, como conectar a plataforma de votação Snapshot a uma conta multi-assinatura Gnosis Safe, em vez de plataformas que antecipam excessivamente os casos de uso para os participantes.

Embora o recurso específico para distribuir ações corporativas possa não ter decolado no EVE Online, as guildas de jogos frequentemente adotam práticas econômicas de redistribuição. A grande importância dos mercados de MMO, de Varrock ao gold farming, para finanças descentralizadas será assunto de um ensaio posterior, mas uma prática econômica pode ser extremamente relevante para DAOs: Dragon-kill points (DKP). Tomando seu nome historicamente de quando os dragões eram os inimigos mais frequentemente encontrados nos MMOs, o DKP surgiu como um sistema de alocação dentro e às vezes entre as guildas.

Missões complexas e sustentadas realizadas por guildas, como matar um dragão, geralmente são chamadas de raids e podem durar de várias horas a vários dias. No final de uma raid, o inimigo morto deixa cair itens no jogo chamados loot, e as guildas devem decidir como distribuí-los. Como as guildas exigem conjuntos de habilidades de jogadores diversos e complementares por longos períodos de tempo, “É importante que as mesmas pessoas trabalhem juntas novamente” e é importante que as guildas distribuam o loot de uma maneira que os membros percebam como justa. 

À medida que as guildas crescem em maturidade, elas geralmente evoluem diferentes sistemas de distribuição de loot, por exemplo, começando com distribuição aleatória, movendo-se para distribuição aleatória ponderada pela participação e geralmente chegando à distribuição por meio de um sistema de pontuação informal como o DKP. O DKP atua como um sistema de dinheiro privado, separado da moeda existente em um mundo de jogo, e os membros da guilda os ganham com base em sua participação em raids. Os membros da guilda podem optar por gastar esses pontos em troca de loot após uma invasão.

Inicialmente projetado por uma guilda em 1999 para o EverQuest MMO, a prática do DKP foi adotada por muitas guildas em muitos mundos de jogo, embora com pequenos ajustes. Ed Castranova e Joshua Fairfield detalharam um exemplo em Dragon Kill Points: A Summary Whitepaper: o sistema de Leftovers DKP, que maximiza o número de participantes no sistema não sendo vinculado a uma guilda específica. Como escrevem Castranova e Fairfield: “Na verdade, esta organização é efetivamente o órgão de alocação mais alto da população. Se houver um governo emergente no [servidor de World of Warcraft] Silver Hand, é o The Leftovers.” 

O sistema Leftovers DKP surge de algumas limitações: o saque só pode ser coletado após a batalha e, no World of Warcraft, não pode ser transferido entre jogadores. O sistema de Leftovers DKP tem um pequeno grupo de governadores nomeados informalmente: jogadores que laboriosamente, por meio de diálogo público, definem e mantêm um banco de dados de preços de itens de saque em DKP. Quando os saques caem, os jogadores com DKP podem optar por gastá-los para um item específico, com todos os lances e transações públicos. Sendo soma zero, o sistema de Leftovers DKP distribui igualmente os pontos DKP gastos para todos os outros membros da guilda que participaram da raid.

Como observam Castranova e Fairfield, o DKP complementa as moedas existentes de um mundo de jogo, tanto para alocação eficiente quanto para coesão social, “tornando possível a troca de tempo (gasto naquelas raids em que um indivíduo não é compensado) por bens (obtidos naquelas raids em que um indivíduo ganha o loot)”. Especialmente no caso de World of Warcraft, porque o loot não pode ser transferido entre jogadores, ter loot também serve uma forte função de sinalização, mostrando que um jogador participou significativamente de raids ao longo do tempo. 

Esse sistema DKP precede a mecânica das plataformas DAO em desenvolvimento hoje, como Aragon, Colony e DAOstack, que oferecem mecanismos para distribuir tokens de reputação com base na participação de membros, que são recompensados ​​por propostas, concessões ou campanhas bem-sucedidas: o que podem ser chamados de raids em outros mundos de jogo. 

Esses tokens de reputação complementam outros sistemas econômicos habilitados por plataformas DAO, como tokens específicos de DAO ou outros ativos em suas tesourarias de contas multi-assinatura. Frequentemente usado como um modelo alternativo ao modelo plutocrático de um token, um voto, os tokens de reputação, obtidos por meio de participação em vez de poder de compra, fornecem maior poder de voto em DAOs que se acumulam ao longo do tempo. As DAOs podem aprender com o DKP, que, por outro lado, atua como um sistema de dinheiro privado baseado na participação que pode ser gasto em outros ativos digitais, em vez de apenas acumular ao longo do tempo.

Além da alocação eficiente, reputação contextual e funções de sinalização, o sistema DKP tem outro significado para as DAOs: geralmente todas as guildas resolvem disputas independentemente dos sistemas judiciais tradicionais, apesar dessas disputas envolverem participações caras. Isso se torna altamente relevante para ferramentas DAO, como as jurisdições digitais da Aragon ou o serviço de arbitragem descentralizado da Kleros, que visa fornecer ferramentas nativas da internet de resolução de disputas. Na verdade, as ferramentas DAO muitas vezes tentam resolver tecnicamente problemas que as guildas de jogos já refinaram culturalmente por várias décadas, e pode ser hora de DAOs e guildas de jogos mesclarem seus conhecimentos práticos mais de perto.

Uma colagem de logotipos de alianças em EVE Online, 2006

Outro padrão cultural sutil das guildas de jogos está relacionado à sua estrutura econômica articulada. Como o pesquisador Joshua Citarella aponta, muitos sistemas DKP se assemelham a uma forma de socialismo de mercado, em que os bens são de propriedade pública, mas alocados pelos mercados. Citarella também observa que, apesar da semelhança dos sistemas DKP com o socialismo de mercado e a felicidade geral dos players que participam deles, muitos desses players decididamente não abraçariam politicamente o rótulo de socialismo de mercado. 

A economia das sombras pode ser um termo adequado para quando um grupo opera através de uma forma econômica que não se rotularia como: DAOs como protocolos cooperativos e guildas de jogos como socialismo de mercado. Essa tendência deixa territórios políticos interessantes, como as guildas de jogos, pouco explorados, porque as guildas de jogos geralmente não precisam usar suas próprias bandeiras. De certa forma, isso pode ser mais um recurso do que um bug, já que a invenção de novos termos como DAO, em vez de depender do cânone, em parte alimenta seu abraço entusiástico.

Embora possa resultar em ignorar sua pré-história, as DAOs ainda mantêm uma poderosa ambiguidade, na qual suas ambições políticas florescentes ainda não possuem articulações estéticas totalmente familiares. Isso poderia ser cooptado para vários fins diferentes. Por exemplo, pode-se imaginar uma DAO cujo tesouro se autodestrói, como o NFT da terra0, quando as temperaturas globais sobem mais de 2 graus Celsius, acompanhado por um avatar de mascote brilhante e despretensioso.

Tal DAO pode atrair a participação daqueles que não são atraídos pela estética verde familiar da maioria das iniciativas climáticas, e pode ter o efeito de ampliar a participação em um objetivo político por meio da criação de novas culturas ao seu redor. O ímpeto do questionavelmente novo sempre pode ser bom para alguma coisa, e a questão é como cultivar DAOs que podem construir solidariedade furtiva através das divisões ideológicas.

Uma Constelação Nasce

Na verdade, pode ser.

Embora uma pré-história abrangente de organizações autônomas descentralizadas possa nos levar muito mais longe no passado, muitos defensores das DAOs têm uma crença central sobre seu impacto no futuro: as DAOs podem vencer a competição ao superarem as empresas modernas na cooperação.

No século XX, muitos economistas perguntaram por que as empresas surgiram quando os serviços precificados pelo mercado deveriam, em teoria, ser mais eficientes. Ronald Coase explorou a resposta a essa pergunta em The Nature of the Firm, chegando à conclusão de que os mercados criam custos de transação não contabilizados. Esses custos de transação podem surgir da descoberta de preços, negociação de contratos ou integração de um serviço, que pode ser atenuado pela retenção de serviços em uma empresa. 

Seguindo essa teoria, o tamanho das empresas pode ter limites práticos que elas não ultrapassarão, porque eventualmente os custos de transação aumentam por meio de desenvolvimentos como a burocracia departamental. Embora essa teoria tenha muitas críticas, a promessa das DAOs pode ser posicionada em relação a ela: as DAOs aspiram se tornar mais eficientes à medida que aumentam. Embora na prática essa aspiração esteja longe de ser comprovada, em alguns aspectos a promessa das DAOs está no uso de protocolos de governança técnica para reduzir os custos de transação. 

Para retornar a um exemplo acima, ferramentas DAO como a Gnosis Safe permitem que grupos de pseudônimos, em todas as jurisdições, reúnam e gerenciem fundos em minutos. O processo equivalente para estabelecer uma conta bancária conjunta tradicional pode levar meses e, em alguns casos, não seria possível que indivíduos de diferentes jurisdições gerenciem conjuntamente uma conta bancária. Por meio das possibilidades de blockchains públicos, as DAOs podem incorporar um conhecimento prático mais profundo em governança sem aumentar os custos operacionais de transação: aspirando a se tornar “mais eficientes” à medida que crescem.

Embora ferramentas DAO como a Gnosis Safe permitam isso hoje, em geral a promessa de organizações infinitamente escaláveis ​​ainda tem um longo caminho a percorrer. Muitas vezes, até mesmo a promessa de DAOs pode obscurecer sua utilidade na prática. Em The Dissensus Protocol: Governing Differences in Online Peer Communities, Jaya Klara Brekke, Kate Beecroft e Francesca Pick se concentram em um estudo de caso da Genesis DAO, um coletivo centrado na plataforma DAOstack. Elas escrevem:

A Genesis DAO é um bom exemplo de uma característica única comum a muitas DAOs, a saber, que elas compreendem grupos altamente motivados que se formaram em torno de um conjunto de ideias sobre governança, em vez de governança ser um meio para alcançar alguma missão compartilhada. Em outras palavras, era centrado em ferramentas e focado em uma ação principal: alocar fundos para propostas. É incomum que pessoas desconhecidas comecem a tomar decisões financeiras juntas imediatamente, sem ter tempo para desenvolver coerência e confiança. E essa era, de fato, a promessa de projetos como a Genesis DAO: que a tecnologia contornaria a necessidade de desenvolver relacionamentos confiáveis, o que significa que milhares de pessoas seriam capazes de se unir em torno de objetivos, realizar ações e até gastar dinheiro juntos como um grupo.

Assim como o exemplo anterior acima de jogadores do EVE Online que não usam a interface para distribuir ações corporativas lançadas pelos desenvolvedores de jogos, o desenvolvimento centrado em ferramentas, bem como a suposição de que as ferramentas criam automaticamente padrões culturais úteis, devem ser reconsiderados. 

Em vez de protocolos técnicos para governança que diminuem a necessidade de relacionamentos confiáveis, as DAOs podem ser abordados por meio do desenvolvimento iterativo de ferramentas altamente componíveis ​​para coordenar diferentes níveis de coerência e confiança. Em última análise, a eficiência a que as DAOs aspiram pode não ser definida como uma função econômica, mas como uma questão de governança “melhor” e situada: apoiada por um conhecimento prático mais profundo dentro de um jogo infinito.

Camadas da DAO

As DAOs não serão as redes uniformemente não hierárquicas que alguns imaginam. Em vez disso, as DAOs coordenam diferentes níveis de coerência e confiança. Em Ownership in Cryptonetworks, Patrick Rawson argumenta que, para as DAOs, “distribuir a propriedade para entidades como squad com objetivos mais especializados é o principal problema de longo prazo a ser resolvido” para permitir um trabalho significativo. 

Essas “entidades como squad” são equipes menores com relacionamentos de confiança, talvez não muito diferentes das guildas de jogos nos exemplos acima, que executam missões alinhadas a valor com DAOs. Olhando mais de perto, as DAOs eficazes começam a se comportar muito mais como redes de equipes, como a rede da MONDRAGON Corporation com 100 cooperativas afiliadas, em vez da inteligência de enxame vagamente coordenada que pode parecer à distância. Inspirados pela análise de Rawson, podemos esboçar aproximadamente três camadas de uma DAO:

  1. Token: redes multiorganizacionais alinhadas pela propriedade do token
  2. Equipes: Equipes, guildas e esquadrões representados por posse de token
  3. Missões: Missões, marcos e raids financiados por propriedade de tokens

A partir dessas camadas, emerge uma rede heterárquica, ou seja, uma organização que possui a capacidade de ser classificada de várias maneiras.

Um exemplo de DAOs em que tokens, equipes e missões são distribuídos em várias redes DAO, que podem ser classificadas ou separadas de várias maneiras.

Em ecossistemas que priorizam a distribuição de propriedade, os tokens incentivam as redes DAO a serem gerenciadas por seus membros. Tokens, equipes e missões não estão confinados aos limites quase institucionais de uma única DAO, mas podem e, para descentralizar significativamente a rede de controle, devem ser representados pela propriedade de tokens em vários DAOs. 

Surge um ecossistema não muito diferente das redes de controle das corporações transnacionais, mas importante, sem comando monocêntrico e com custos de transação reduzidos em diferentes níveis de confiança. Como escreve Rawson: “Desde que a memória coletiva circule livremente dentro de uma determinada [rede DAO], as soluções descobertas para os problemas podem ser reutilizadas”. 

Quando vemos as DAOs como redes multiorganizacionais alinhadas pela propriedade de tokens, o objetivo das ferramentas DAO torna-se não apenas apoiar as operações de uma equipe, mas também facilitar as colaborações entre muitas. Financiados pela PrimeDAO, os mecanismos de colaboração DAO-to-DAO (D2D) aparecem como o trabalho mais avançado nessa linha, que pode eventualmente ultrapassar os produtos tradicionais de business-to-business (B2B). Uma nova entidade como squad emergindo do modo furtivo, a equipe da Gnosis Guild adota uma ênfase semelhante nas ferramentas DAO-to-DAO, com uma nova constelação de ferramentas DAO chamada Zodiac.

Revisitando a promessa das DAOs, seu potencial para incorporar um conhecimento prático mais profundo na governança não significa que a tomada de decisões deva envolver um número cada vez maior de membros em cada proposta, mas sim que, dentro de uma rede DAO, as equipes que possuem a experiência mais relevante podem facilmente compartilhá-lo com o ecossistema. Quando vemos as DAOs como constelações de equipes, não monólitos, as DAOs se tornam redes para permitir que a memória coletiva flua livremente.

As redes que virão

O relatório TIMN RAND deste ensaio começou com uma nota curiosa. Ele lê:

Grande parte da literatura sobre redesenhar organizações para a era da informação concentra-se na produção – na melhoria da produtividade ou na fabricação de algo novo, como o avião comercial Boeing 777. No entanto, isso não reflete uma mentalidade persistente da era industrial? As organizações de produção continuam sendo uma parte crucial da ecologia organizacional. No entanto, também devemos pensar em “organizações sensoriais”. As funções sensoriais são bem diferentes das funções de produção e requerem diferentes modos de organização – e.g., mais redes conectadas ao mundo fora dos limites de um escritório. Determinar projetos apropriados para todos os tipos de organizações sensoriais pode se tornar um bom meta-tema para pesquisa e desenvolvimento inovadores nos próximos anos.

Esse sentimento de fechamento ecoa a popularidade naquela época do teórico da mídia do século XX, Marshall McLuhan, que enfatizou como a mídia digital afeta nosso sistema nervoso sensorial. Se redes principalmente digitais como DAOs operam primeiro em nosso sistema nervoso, isso não significa que elas não virão para reorganizar, remodelar e redistribuir nosso mundo material. Alguns ainda se recusam a levar a sério o fato de que princípios cooperativos, guildas de jogos e imaginários estranhos como DAOs apresentam uma forma organizacional emergente com relevância política legítima. 

Devemos levá-los politicamente a sério agora, para que não permaneçam moldados apenas por aqueles que estão de um lado da divisão digital. Os dias de DAOs versus PACs, comitês de ação política que arrecadam fundos para candidatos eleitorais nos Estados Unidos, estarão conosco em breve. Assim como os mercados não tornaram os estados obsoletos, mas diminuíram algumas de suas operações enquanto fortalecem outras, as DAOs introduzem novas formas de participação política tradicional que emergem do setor social autônomo: o sindicato em rede.

Personagem da Trust’s Mascot Streams, ARB e GVN908, 2021

Para chamar a atenção para as falhas de seriedade do termo quimérico, muitos retornam ao seu equívoco: o “A” em DAO não corresponde ao significado de autônomo; enquanto outros como a pesquisadora Aude Launay invocam o espírito político, ao invés do técnico, de autonomia em DAOs. Embora o termo DAO permaneça poeticamente correto, poderíamos propor uma substituição ocasional: organizações de avatares descentralizados. Tais organizações levariam seus interesses políticos tanto de forma leve quanto pesada. Como observa a poeticista e ministra digital da Taiwan Audrey Tang, os dias dos avatares políticos já estão aqui. Avatares políticos são seres virtuais que representam, mobilizam e defendem em nome de plataformas políticas e, quando a automação aumenta, eles podem até gerar suas próprias plataformas políticas. Uma organização de avatares descentralizada reconheceria o futuro zeitgeist virtual: isso poderia parecer um ciborgue gerenciado coletivamente como Lil Miquela ou um ambiente inteiro moldado por membros, como os castelos móveis de Trust. As organizações de avatares descentralizadas terão desenvolvido coletivamente em seu núcleo mundos de jogos interoperáveis, engines, ou mascotes seres virtuais, que co-criam a cultura em torno da qual seus membros se organizam.

Jay Springett, worldrunning.guide: A Speculative Document About Worlding World and Running Them, 2020-

Ao aprender com sua pré-história, as DAOs podem avançar em direção a uma teoria sincrética das organizações, ou seja, uma teoria que incorpora uma ampla gama de padrões, práticas e influências culturais, ao mesmo tempo em que reconhece seus vieses políticos herdados. Para escapar da tendência de fetichizar protocolos técnicos de governança, as organizações de avatares descentralizadas devem cultivar ambientes atraentes que os jogadores desejam habitar, reconhecendo que narrativas, estéticas e objetivos comuns são fundamentais para seu sucesso. Fazer da internet um lugar não apenas para transações, mas para relacionamentos e o próprio pensamento, como escreveu Barlow, depende da profundidade dessas narrativas. Como é o caso dos jogos multijogador massivos online, as DAOs são protocolos menos técnicos para governança e mais mundos de jogos de alto risco que se entrelaçam.

Devemos apontar para um consenso firme e mundos corridos.

—- Nota do Tradutor: Não concordamos com todas as partes desse artigo, entendendo que ele foi formulado por um estatista com um viés de politização socialista significativo. Mas, todo conhecimento sobre o tema é importante dada a escassez geral que nos encontramos hoje no assunto. Então o traduzimos e o estamos disponibilizando.

Este ensaio é o segundo de uma série da Gnosis Guild de @keikreutler, unindo cryptonetworks, web3 e jogos.

Imagem da capa: Leonora Carrington, El mundo mágico de los mayas (1964) meets CLIP. Muitos agradecimentos a Mat Dryhurst pela assistência.

Profundos agradecimentos pelo feedback enquanto desenvolvendo este ensaio para Other Internet Peer Review: Toby Shorin, Sam Hart, Laura Lotti, Bryan Lehrer, Jay Springett, Arthur Röing Baer, John Palmer, Callil Capuozzo, Tom Critchlow, and Kara Kittel as well as Auryn Macmillan, Sam Panter, Patrick Rawson, Scott Moore, Wassim Alsindi, and Brett Scott.

“-kin, Guilds, Markets, Cryptonetworks” entrou na CLIP. Novamente agradeço a Mat Dryhurst pela assistência.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.