História

História do Movimento Libertário

Publicado originalmente em SEK3.

Editado para incluir a participação do Novo Libertário

Antes de 1969

Antes de 1969, não existia um Movimento Libertário “organizado”. Nos anos 1800, formaram-se círculos em torno do abolicionismo individualista de Lysander Spooner em Massachusetts, seguido de Benjamin Tucker e da sua revista Liberty (não confundir com o revista dos anos 80 e 90 de Seattle) que manteve a bandeira negra da anarquia individualista dos anos 1870 a 1907. Nesse ano, todo o estoque de edições anteriores e livros foram queimados e Tucker deixou a América para viver obscuramente na França até à sua morte em 1939.

Leia mais “História do Movimento Libertário”
História

Esse Movimento Dele: Murray N. Rothbard, 1926–1995

Publicado originalmente em SEK3.

Pessoalmente, Murray Rothbard poderia ser descrito como um Woody Allen que havia estudado economia; não era acidente que um de seus diretores favoritos de todos os tempos fosse Mel Brooks. Quando confrontado com acusações de que ex-conservadores se tornaram tão ideológicos quanto libertários que estavam se transformando em engrenagens de um movimento sem humor, bastava oferecer como refutação o contraste de Murray com Marx, Lenin e, para essa questão, Rand. Até mesmo o conservador que o expurgou da National Review na década de 1950 por altos desvios (recusa de sancionar o Estado por cruzadas anticomunistas), William F. Buckley, teve de se referir a suas vítimas como “Murray Rothbard e seu alegre bando de anarquistas.”

Leia mais “Esse Movimento Dele: Murray N. Rothbard, 1926–1995”
História

Separatismo e Quebec

Publicado originalmente em SEK3

Suponha que, do outro lado da divisa estadual de onde você mora, os secessionistas tenham vencido uma eleição assumindo o governo local. Qual seria sua reação natural?

Bem, se você é um libertário radical, provavelmente pularia no ar com um grito! Então, depois de uma jiga rápida sobre o túmulo imaginário do Estado Federal, você ligaria para todos os seus anarcoamigos e lhes daria as boas notícias. E então, eu espero, você tentaria encontrar qualquer libertário local na área lutando pela liberdade, oferecer a eles toda a ajuda que pudesse para empurrar a causa deles do seu lado da linha, e enviar a eles o que você puder poupar.

Certo?

Então como isso não aconteceu?

Leia mais “Separatismo e Quebec”
História

Cenouras e Varas 2

Publicado originalmente em SEK3.

Na última impressão da SLR, Your Friendly Neighborhood Anarcho-columnist (Seu Amigável Anarcocolunista da Vizinhança) decidiu lançar algumas cenouras de elogio a libertários negligenciados da Costa Oeste e ao resto varas com as quais ele surra diversos desviacionistas. Mas as regiões costeiras dos EUA receberam mais do que o suficiente de boa cobertura de imprensa. Deixe o olho errante da YFNA lançar-se sobre o Meio da América, aquele paraíso prometido pelo Profeta Murray, o Lucro Encarnado.

Leia mais “Cenouras e Varas 2”
História

Cenouras e Varas

Publicado originalmente em SEK3.

Lendo as colunas anteriores da SLR, o Your Friendly Neighborhood Anarcho-columnist (YFNA, Seu Amigável Anarcocolunista da Vizinhança) percebe que elas foram uniformemente negativas. Agora, o YFNA não é de modo nenhum esse tipo de persona que é corroída por um ódio geral. Então que os tijolos voarem para fora dessa quina escura, carregando os cadáveres dos desviantes que atacaram, e que alguns elogios sejam distribuídos.

Leia mais “Cenouras e Varas”
Estratégia

Revisionismo de Hoje

Publicado originalmente em SEK3.

Brevemente resumido, o estudo do revisionismo deve nos ensinar isto:

1. A raison d’être do Estado é o roubo; isto é, adquirir riqueza por meios políticos e não por econômicos.

2. Aqueles indivíduos cuja riqueza depende da coerção e não do livre comércio usarão toda a sua riqueza necessária para controlar o aparato do Estado tanto quanto outros grupos que também competem por tal poder lhes permitirem.

3. Tais indivíduos (a elite do poder, plutocracia, “conspiração” ou “classe dominante”) mantêm uma frente comum pelo estatismo, mas precisam se dividir inerentemente quando alguns de seus interesses são atacados pelo mecanismo estatal para os ganhos de outros plutocratas.

Leia mais “Revisionismo de Hoje”
História

A Outra Eleição Norte Americana

Publicado originalmente em SEK3.

Enquanto Richard Nixon entediava a todos com sua maioria de votos em 7 de novembro, os canadenses foram brindados com um gancho uma semana antes, em 30 de outubro. Os pesquisadores previram com confiança um retorno de Trudeau, já que os resultados das províncias marítimas oscilaram ligeiramente para o Partido Liberal, e o Quebec cortou os assentos do Progressive Conservative de quatro para dois (dos 74). É verdade que o Social Credit Rally (Ralliement Creditiste) aumentou substancialmente seu voto popular, mas ganhou apenas uma cadeira. Em seguida, Ontário entrou com o New Democrat Party social-democrático e os Conservadores Progressistas cortando as posições do Grit (liberal). E depois no Oeste.

Leia mais “A Outra Eleição Norte Americana”
História

Uma História Abarrotada do Movimento Libertário. Parte II, Pós-1969

Publicado originalmente em SEK3.

O verão de 1969 será lembrado como o surgimento do movimento libertário moderno. Os objetivistas estavam em conflito com a deposição de Branden, e muitos estavam sendo apanhados pela Society for Rational Individualism (SRI) anarco-objetivista de Wollstein. As sementes da organização do caucus libertário na YAF após a convenção de 1967 floresceram na tomada libertária da YAF do estado da Pensilvânia e da Califórnia com a influência de Rothbard colocando alguns anarquistas no grupo do Estado de Nova York, e o filho de Karl Hess na Virgínia em outro pequeno grupo. Muitos desses rothbardianos, organizados na Aliança Libertária Radical, participaram da Convenção Nacional SDS.

Leia mais “Uma História Abarrotada do Movimento Libertário. Parte II, Pós-1969”
História

Uma História Abarrotada do Movimento Libertário. Parte I, Pré-1969

Publicado originalmente em SEK3.

No início, o homem era livre. Então ele correu para seu pai.

Filosofias livres tentaram se formar ao longo da história, geralmente contendo contradições ou erros suficientes para serem refutadas e descartadas como as teorias estatistas que deveriam substituir. E então nós chegamos. O primeiro de nós remonta a William Godwin, o primeiro anarquista, no final dos anos 1700 e segue de Josiah Warren até Lysander Spooner. Os freaks do governo limitado provavelmente podem traçar sua linhagem até o Philosophical Radical Party [Partido Radical Filosófico] de Jeremy Bentham na Inglaterra (sim, caro leitor, os primeiros “radicais” eram arquistas limitados), que, graças à sua base utilitária e John Stuart Mill, moveu-se em direção ao socialismo democrático fabiano. Enquanto isso, nos EUA, Spooner estava firmando uma base pró-propriedade para a anarquia.

É ao mesmo tempo fascinante perceber (como você verá se ler pelo menos um pouco de Spooner, tipo o No Treason) que se a Praxiologia tivesse sido adicionada à posição de Spooner, fixando alguns de seus pontos de vista sobre economia, ele teria alcançado o estágio de desenvolvimento do atual Movimento Libertário, dando ou tirando alguns desviantes, e é decepcionante perceber que um século foi desperdiçado. Isso, o anarco-objetivista gentil, foi tudo antes de Ayn Rand ser um brilho nos olhos de seu pai. Spooner era um abolicionista ativo, chocando seus camaradas ao apoiar a secessão do sul, e exigindo essa posição como a única consistente com a secessão de escravos dos senhores. Seu No Treason: The Constitution of No Authority foi publicado por volta de 1870. Ele, junto com outros, passou a tradição anarquista para Benjamin Tucker, que foi o primeiro de sua linhagem a se chamar anarquista desde o ínicio.

Leia mais “Uma História Abarrotada do Movimento Libertário. Parte I, Pré-1969”